Você logo logo estará aqui meu amor...

Você logo logo estará aqui meu amor...
Você ainda nem foi gerado, mas já é tão amado por nós...Te Amamos...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

****** PLANO DE SAÚDE PAGARÁ REPRODUÇAO ASSISTIDA *****

MENINAS LINDAS!!!!
VEJAM A REPORTAGEM QUE ACABEI DE LER! ESPERO QUE A UNIMED SE ADEQUE LOGO!!!

Plano de saúde pagará reprodução assistida
Publicidade
CLÁUDIA COLLUCCI
colunista da Folha Online

A administradora de planos de saúde Mediservice começa a pagar, a partir desta semana, tratamentos de infertilidade, inclusive a FIV (fertilização in vitro) e a ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozóides).

A iniciativa é inédita no país, onde 15% da população sofre de dificuldades de gravidez, e deve abrir precedente para que mais planos de saúde passem a cobrir o tratamento, que ainda não é subsidiado pelo SUS.

Duas clínicas de reprodução assistida, a do Hospital Albert Einsten, de São Paulo, e a Andro­fert, de Campinas, já assinaram os contratos e passam a atender pelo convênio médico.

A Mediservice, que só tem planos empresariais, vai pagar às clínicas R$ 5.800 por ciclo de fertilização in vitro (FIV) realizado. O custo foi calculado pela empresa de consultoria CDI, que fez uma ampla pesquisa de mercado. A maioria das clínicas de reprodução brasileiras cobra em média R$ 12 mil por ciclo, ou seja, o dobro do preço real.

Para o médico Nelson Antunes, 46, um dos responsáveis pela unidade de reprodução do Hospital Albert Einstein, "foi dada a largada para o processo de democratização da reprodução assistida no país".

Segundo ele, o Brasil realiza anualmente 9.000 ciclos de repro­dução assistida, mas a demanda real seria de 150 mil ciclos/ano. "A maioria da população não tem
acesso ao tratamento em razão dos altos preços."

Até agora, as únicas alternativas para um casal infértil era recorrer às clínicas privadas ou aguardar nas longas filas de espera dos hospitais públicos, que só atendem mulheres até 37 anos e cobram a medicação, em média R$ 3.000 por ciclo.

Apenas o Hospital Pérola Byngton e o HC se propõem a fazer o tratamento totalmente gratuito, mas encerraram as inscrições e estão com mais de 10 mil
casais na fila de espera.

Para o médico Sandro Esteves, 35, da Androfert, ao custear o tratamento, os planos de saúde poderão, a médio prazo, ter uma economia de gastos, já que os casais inférteis passam por vários médicos e repetem desnecessariamente muitos exames.

O "pacote" que a Mediservice fechou com as clínica contempla honorários dos profissionais envolvidos, custo operacional, laboratórios de gametas e embriões, centro cirúrgico e exames de diagnóstico.

A medicação utilizada no tratamento deverá ser comprada pelo próprio paciente, mas será disponibilizada a custo de fábrica conforme acordo estabelecido entre o plano de saúde e o laboratório Ferring.

A paciente poderá se submeter até quatro ciclos de FVI consecutivos completos, mas a realização de cada ciclo estará atrelada a relatório emitido pelo médico à Mediservice.

Outras opções

As duas clínicas que assinaram o acordo com o plano de saúde já mantêm alternativas de tratamento diferenciadas. A unidade reprodutiva do Hospital Albert Einstein, por exemplo, está assumindo os riscos do tratamento com os casais. O acordo funciona assim: o casal fecha um pacote de quatro tentativas no valor de R$ 16 mil, mas se não engravidar em nenhum dos ciclos, não precisa pagar nada. O índice de gravidez, em mulheres até 34 anos, após quatro tentativas, tem sido de 78%.

O médico Nelson Antunes também atua na Fundação Medicina do ABC e lá realiza um trabalho voltado a casais inférteis com menor poder aquisitivo. O preço de cada FIV tem saído em torno de R$ 500. O índice de gravidez no serviço é de 13% por ciclo. O serviço adquiriu este mês um micromanipulador e começará a realizar ICSI.

Antunes tem ainda uma nova proposta para democratizar ainda mais o acesso aos tratamentos de fertilização assistida. Ele procura patrocinadores para bancar um serviço móvel de reprodução. A idéia é montar um laboratório em van e prestar atendimento em universidades e outros locais públicos.

A Androfert, de Campinas, também tem feito pacotes com três tentativas de FIV que vão de R$ 9.000 a R$ 15 mil. A clínica divide o valor em dez vezes.

Serviço:

Androfert: 0/xx/19/3295-8877

Unidade de Reprodução Assistida do Hospital Albert Einstein: 0/xx/11/3747-2755

Mediservice: 0/xx/11/3748-6613

3 comentários:

N@nd@ disse...

Nossa q legal! Tomara mesmo q isso espanda por todo país, pois existe muitas mulheres c problema de fertilidade. Eu mesma, demorei 11 meses p engravidar.

Quem grita baixinho disse...

Casou com 14???

Geovana disse...

Olá.....pena que está notícia foi publicada em 15/03/2003. Não deve mais ter o convênio.

Postar um comentário

Fran Maia A Espera de nosso Milagrinho...